Nosso roteiro de viagem de três dias (Parte 2)

No segundo dia, saímos cedo do hotel para pegar o trem para Bruges na Gare Centrale.

Bruges (Brugge) – Uma cidade medieval, romântica, charmosa e muito bem preservada, que fica no nordeste da Bélgica, na região de Flandres. Bruges é famosa pelos canais, museus, rendas, chocolates e por belíssimos exemplares de arquitetura gótica. Desde o ano de 2000, o centro histórico de Bruges é Patrimônio da Humanidade por ser um “excelente exemplo de assentamento medieval”, tendo mantido sua característica ao longo da história.

Bruges tem cerca de 120 mil habitantes e, segundo estatísticas, recebe três milhões de visitantes durante o ano todo. Dividida por canais, Bruges é conhecida como a “Veneza do Norte”, não perdendo em nada, se comparada à autentica cidade italiana. As duas esbanjam charme e sabem igualmente envolver turistas, acolhendo-os em meio às construções históricas e paisagens fascinantes.

Da estação Central de Bruxelas, levamos cerca de uma hora para chegar até a cidade de Bruges. Compramos o billet week-end aller et retour que é o Weekend Ticket com desconto de 50% na tarifa, pagamos € 15,20 ida e volta por pessoa. Esse bilhete é exclusivo para viajar no final de semana, das 19 h de sexta-feira até domingo à noite. Consulte horários e tarifas no site da companhia SNCB.

Chegando na Brugge centraal station, é só seguir o fluxo rumo ao Parque da cidade. A cidade é pequena, mas é impressionante a quantidade de turistas que circulam por suas ruas. Recomendo um calçado confortável, pois é feito tudo a pé. 

A primeira parada foi no Minnewater Park, um belíssimo parque localizado a poucos passos da estação de trem. O Minnewater abriga dois patrimônios da humanidade: famoso lago do amor e, ainda, o Jardim das Beguinas de Flandres (mulheres que queriam servir a Deus, porém, sem serem ordenadas formalmente).

 

Do parque, é só seguir caminhando, a cidade é encantadora. Não se preocupe em seguir um roteiro, pois de qualquer forma você chegará ao centro histórico. Basta curiosidade e disposição para conhecer as maravilhas de Bruges.

O que ver na tranquila e surpreendente Bruges

As duas grandes atrações do centro histórico são as duas praças: a Praça do Mercado (Grote Markt) e a Praça Burg.

Praça do mercado  a praça tem aproximadamente 600 anos e, além de exibir as maravilhas arquitetônicas dos edifícios que a rodeiam, oferece também uma gama de restaurantes ao seu redor. Na mesma praça, com uma torre de 83 metros de altura, encontra-se o Campanário (belfort van brugge), usado pela guarda local, durante o século 13, como ponto estratégico de observação para proteger a cidade de ataques inimigos. Hoje, abriga um museu e está aberto para que o turista suba até seus 366 degraus e desfrute de uma vista invejável da cidade. O ticket custa 5 euros. O prédio é símbolo da cidade, tem papel central no fim do filme In Bruges, e é parte de outro Patrimônio da Humanidade: os campanários da Bélgica e França.

 
 

Praça Burg – na Praça Burg, destacam-se o prédio construído em estilo gótico, que serve como sede para a prefeitura, o edifício Liberdade de Bruges que segue as tendências renascentistas, abrigando ainda 48 réplicas de estátuas de condes e condessas de Flandres nobres que fizeram parte da fundação da Bélgica e ainda, a Basílica do Sangue Sagrado que é muito procurada pelos visitantes que querem conhecer suas famosas peças de arte sacra e imponentes vitrais. Com duas capelas, a mais antiga, construída em estilo romano, expõe os artigos de devoção, enquanto a segunda, em estilo gótico, abriga o famoso relicário que, segundo a lenda, guarda o sangue de Cristo, colhido por José de Arimateia.

 
 
Basílica do Sangue Sagrado
 

Com ares mais simples, a Igreja de Nossa Senhora teve sua construção entre os séculos 13 e 15 e tem a maior torre da cidade, com 122 metros de altura. A atenção dos turistas, porém, deve se concentrar nas obras de arte concentradas em seu interior: “La Madonna col bambino”, de Michelangelo (é a única escultura do artista a deixar a Itália enquanto o mesmo ainda era vivo. Comprada por um patrono rico da cidade, ela foi e voltou ao longo do tempo, conforme guerras e invasões aconteciam, mas hoje está lá, para ser admirada); “a Crucificação de Cristo”, de Anthony van Dyck e os túmulos de Charles I, Duque da Borgonha e sua filha Mary, figuras históricas de grande importância para a cidade.

 Catedral de São Salvador 

 

Construída no século 10, foi nomeada catedral em 1834 e ao longo de toda a sua existência passou por inúmeras reformas e ampliações. Conta com uma torre de 99 metros de altura e abriga, em seu interior, diversas obras e objetos religiosos de diferentes épocas.



Hospital St. Jhon

Hospital da época medieval que abriga hoje um museu (Memling Museum) onde há exposição de quadros de Hans Memling, além de disponibilizar um tour por dentro do edifício decorado com móveis da época.

Cervejaria De Haalve Maan

É uma cervejaria pertencente a uma família tradicional de Bruges. Funciona desde 1856 e já passou por seis gerações até hoje. O objetivo desde aquela época é oferecer cerveja superior, tanto em qualidade como sabor, respeitando a arte tradicional de produzir cerveja. Participando do tour guiado você tem direito a uma degustação. O tour custa 7,50 e tem duração de 45 minutos.

Passeio de barco pelo lago do amor

Esse passeio de barco pelos canais é imperdível. Além de super agradável e charmoso você tem a oportunidade de enxergar a cidade por outros ângulos.

Cervejaria 2be

Na entrada da cervejaria, você encontra um painel repleto de cervejas belgas. Com ou sem consumação, do terraço da cervejaria, é possível admirar a beleza do lago do amor. Super recomendo! Não se assuste com os tamanhos das taças de cervejas…

 

 

 

 

No final da tarde, fizemos todo o caminho de volta pelo Minnewater Park. Por incrível que pareça, o sol resolveu “dar o ar da graça” só na hora de nos despedirmos de Bruges.

 

 

Para acessar o mapa com os pontos turísticos de Bruges, basta clicar aqui!

É tudo muito lindo de viver!

Confira aqui parte 1 – Nosso roteiro de viagem de três dias (1º dia – Bruxelas)