No ano passado, escrevi sobre minha experiência de mudança de país: do Brasil para a Itália. Só que as mudanças não pararam por aí.Hoje, quero falar sobre as dificuldades de adaptação, as surpresas, alegrias, aventuras e desventuras, que a maioria das pessoas que escolheram sair de sua zona de conforto, de sua cidade natal, costumam enfrentar.

O Brasil é o quinto maior país do mundo em área territorial, e diferenças culturais é o que não falta. O fato é, se uma pessoa do sul tiver de se mudar para o norte, certamente, passará por algumas destas experiências das quais tivemos ao escolher mudar para o Vietnã, ou seja, terá dúvidas, angústias, alegrias e descobertas. Tudo bem que em proporções bem diferentes, é claro! Um dos fatores facilitadores é o idioma, que por mais que se tenha regionalismos, é basicamente o mesmo. Sem falar da distância; são aproximadamente 40 horas de viagem para chegar na casa dos nossos pais no Brasil. Enquanto que, se estivéssemos no norte do Brasil seria, mais ou menos, 8 horas de viagem. Em ambas viagens, estou contando com escalas rápidas.
O fator predominante é que estamos fora da nossa cidade, longe dos nossos familiares, tendo que reconstruir todas as relações sociais, se adaptar à nova casa, à nova cultura que até então era desconhecida e assim por diante.
Fora do Brasil, vemos pessoas que se adaptam super rápido, focam no aprendizado do idioma para conseguir se comunicar o quanto antes, buscam conhecer o necessário para facilitar o dia a dia, querem explorar o que a cidade tem a oferecer, enfim, o importante é procurar sempre tirar algo de bom de onde se encontra no momento, pois a vida passa num piscar de olhos e se não nos empenharmos para viver com amor, paz e alegria onde Deus nos colocou, nossos dias passarão sem que tenhamos aproveitado a oportunidade de crescer como pessoas.
Na minha opinião, é extremamente importante os relacionamentos sociais nesse período de transição, pois são eles que reforçarão sua autoconfiança. No entanto, também é imprescindível filtrar alguns comentários em relação à cultura do país, pois, no meu caso, sou do tipo de pessoa que gosta de ter suas próprias experiências, gosto de tirar minhas conclusões, vencer possíveis limitações e já aconteceu diversas vezes de ouvir relatos pessimistas de pessoas ‘não satisfeitas’ com a vida atual, com a convicção de que você reagirá da mesma forma. Parece loucura, mas tem pessoas que quase agem como presidiário, só falta ir escrevendo e marcando as semanas na parede para ver quando acaba a ‘pena’.
Na verdade, eu penso que se Deus nos deu esta oportunidade, é porque Ele esta ao nosso lado e confio que é exatamente onde devemos estar. O futuro é incerto, portanto, mesmo perante à dificuldades procuro agradecer, pois confio que o acontecimento servirá para que eu me torne uma pessoa melhor.
O segredo é descobrir o lado bom da vida do outro lado do mundo: novas amizades, pessoas que se ajudam, que emprestam o ombro para as horas de duvida e vibram com as pequenas vitórias do dia a dia.
É essencial entender que cada ser é um e, muitas vezes, o que é fácil para um pode ser o maior desafio da vida para outro. Mas se a vontade de ser feliz dentro das suas possibilidades for forte e latente, qualquer um dos dois irá vencer o desafio. Quem não está aberto para a felicidade, não conseguirá ser feliz nem no Brasil, nem em qualquer lugar do mundo. Isso é fato.
Então, se você vai mudar de bairro, cidade, estado ou país, tenha isso em mente: corra atrás! Sua vida não para. Nunca! E o melhor que podemos fazer por nós mesmos, é tentar transformar cada experiência em uma aventura, cada dificuldade em uma lição de vida e cada conquista em um troféu para levarmos pela vida.
E você, já contou quantos troféus se permitiu ganhar? Espero que muitos! Se acha que ainda não tem nenhum, olhe com carinho para o futuro. Tenho certeza que você irá se maravilhar com as possibilidades!
Obrigada por acompanhar o blog!